terça-feira, 26 de abril de 2011

Mãos

Só quero as mãos que me guiam,
Que me acolhem.
Por favor, afastem de mim
As mãos que me puxam para baixo,
Que empurram o copo em minha direção,
Me sufocam,
Deslizam sob mim
Eu não sou assim...
Onde estão as mãos a bater em minha porta?
Acendam a luz, cansei de ficar na sombra.
Ergam-me
Ou então,
Afastem-se de mim.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Malas

Malas prontas ao chão, cheias de desejos vão, com histórias para contar voltarão. Férias, feriado. Céu. Lua. Mel. Fotografias aos montes e tantos sonhos a se realizar. Campo. Praia. Sol ou sul, pouco importa, vamos sair de Sampa, voltaremos logo, já não vivemos sem a correria do dia-a-dia, o terno, a gravata, o escritório, o chefe, o café para animar e a poluição do ar...
Data esperada, tão planejada. Vamos fugir um pouco?
Voltaremos à terra que deixamos, às pessoas que amamos que o tempo envelheceu, a saudade bateu.
Malas feitas as pressas, pressa de ver vivo quem tem peso de sobra na bagagem e está apenas esperando a barca chegar.
Sonho ou dor. O beijo de até logo ou de nunca mais. O abraço para matar a saudade. A lágrima a selar o caixão. Alegria ou saudade?
Nessa viagem sentindo o barato de viajar. De avião, na estrada ou no mar. Curtir o luar e o céu estrelado anunciando que um lindo dia de sol virá.
Trasladar-me. Não sei para onde a vida quer me levar. Não sei se vou, não sei se fico, talvez eu não deva, talvez eu volte cedo ou não queria nunca mais...

sábado, 16 de abril de 2011

O tempo

Triste o dia que conheci teu sorriso,
Tanto tempo tentando ter você,
Sofro.
Tempo que não tirou a vontade de te querer
Terapia
Para te tirar do meu peito, só o
O tempo - tic tac lento.
Inútil tentar lutar
Quero teu tudo no meu eu,
Mas não quero mais tentar
Tempo tarda,
Tira isso daqui, de mim!