domingo, 22 de maio de 2011

Sem saber

Já não sei se acompanho esses meus pensamentos desalinhados. Estou longe de cair na real, entrar na linha. Estou assim, remando sem direção a um passo para encontrar outros rumos, a minha própria perdição. Ficar sem remar é deixar-se levar para o vão sem volta, a vala sem vida. Vida? Vida não há. O que há... Só as dúvidas que ficaram no ar. Sei não, e se eu não sei de mim, quem há de saber?

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Sei não, posso não...rsrsrs...brincadeira...rsrsrs....
    Parabéns flor!!!bjks

    ResponderExcluir